Norberto Bobbio: Né com Marx né contro Marx (Roma: Riuniti, 1997)

O título desse livro poderia suscitar no leitor a errônea idéia de que Norberto Bobbio tentou trilhar o caminho das indefinições em relação ao pensamento de Karl Marx. Nada mais falso.

Trata-se, em verdade, de uma excelente coletânea dos escritos que Bobbio produziu acerca do marxismo, entre 1949 e 1993. Tão largo período permitirá aos estudiosos, não de Marx, mas do próprio Bobbio, cotejar eventuais discrepâncias, mudanças de opinião ou continuidades. Não é este o intuito dessa resenha.

Bobbio estudou temas diversos no campo do marxismo, aparentemente para dar resposta às questões colocadas por diferentes momentos históricos. Desse modo, o livro divide-se em três partes bem delimitadas: a primeira é sobre “o debate sobre o marxismo”, que junta textos sobre aspectos filosóficos do pensamento de Marx e sobre o stalinismo; a segunda parte aborda o “marxismo teórico” e suas relações com as ciências sociais, as relações internacionais, o Estado, e a teoria do direito; a terceira parte é constituída de “discursos críticos”, uma série de cartas e textos menores sobre Estado, partido, crime, fenomenologia, etc. Não é possível comentar, em curto espaço, tão variegada produção teórica; por isso, é preciso selecionar uma temática significativa, para que o leitor possa ter uma idéia da importância da obra, concorde-se ou não com seus pressupostos teóricos.

Um dos artigos mais extensos e mais importantes do livro é “Dialética em Marx”, no qual o autor parece, realmente, dar uma contribuição inovadora à exegese crítica dos textos de Marx, além de antecipar análises que depois seriam desenvolvidas, como a aplicação feita pelo autor ao pensamento de Antonio Gramsci dos resultados de seus estudos acerca da dialética.

Bobbio parte do fato de que a teoria do materialismo dialético foi exposta, de maneira ordenada, como um exame retrospectivo da obra de Marx. Quem o fez foi Engels, em seus escritos tardios, sem relevar os motivos dialéticos do jovem Marx.

Para Bobbio, um materialismo dialético desprovido da matriz hegeliana fez com que até mesmo Henri Lefebvre considerasse que Marx só chegou ao método dialético nas suas obras maduras (depois de 1858, quando fez uma referência positiva à Lógica de Hegel, numa carta a Engels).

A causa disso estaria na ambigüidade da relação entre Marx e Hegel. A atitude daquele para com este uniu a crítica acerba e a admiração, o confronto e a reverência. Mesmo na Miséria da Filosofia, onde a condenação a Hegel é expressa, não é a dialética em si mesma que é desaprovada, mas o seu uso especulativo, ao qual Marx contrapõe uma dialética científica. Proudhon é questionado exatamente por querer conservar o “lado bom” das contradições sociais, sem apreender a força da negação e da antítese, que garante o movimento dialético.

Nas suas obras juvenis, Marx incorporou três elementos de Hegel: 1) a idéia de que o motor da história é a negatividade; 2) que a história é um processo; 3) que este processo tem um ritmo que leva à passagem da alienação à supressão da alienação (p. 87).

Entretanto, quando se fala de dialética em Marx, em diversos períodos da sua atividade e em várias obras, fala-se sempre da mesma coisa? Não. Para Bobbio, a dialética oculta um significado plurissêmico sob um mesmo significante. Engels definiu, em seu livro Dialética da natureza, três leis dialéticas: 1) a transformação da quantidade em qualidade; 2) a ação recíproca (ou interpenetração dos opostos); 3) a negação da negação. Apenas os dois últimos significados são encontrados na obra de Marx, em estado operacional, porque o termo “dialética”, para Marx, refere-se sempre a uma oposição ou contraste que deve ser mediado ou solucionado (algo que se aproxima apenas às leis 2 e 3).

Contudo, há duas diversas maneiras de resolver uma contradição. O método da ação recíproca mantêm unidos os opostos, condicionando-os mutuamente. Aplica-se a eventos simultâneos e contrapõe-se a uma concepção mecanicista da natureza na qual o universo é explicado por uma cadeia de causas e efeitos. Em geral, a dialética, nesse caso, serve de adjetivo, unindo-se aos termos “relação” e “nexo”.

O método da negação da negação leva a considerar, num momento inicial, o primeiro termo negado por um segundo e, num momento seguinte, o segundo termo negado por um terceiro (a “negação da negação”, portanto). Esse método aplica-se a eventos que se desenrolam no tempo, servindo para compreender a história (do homem e da natureza). Contrapõe-se a uma visão linear de história. A palavra “dialética” vem, neste caso, unida aos termos “movimento”, “processo”, “desenvolvimento”.

Embora as duas leis possam ser utilizadas para explicar de diferentes maneiras as mesmas díades (Estado – sociedade civil, burguesia – proletariado etc), não podem ser aplicadas indistintamente. Como Bobbio demonstrou alhures (“Notta sulla dialettica in Gramsci”, Società, XIV, n. 1, 1958), quando se fala que o capitalismo é a negação do feudalismo, pode-se conceber um “processo dialético”, mas não a interação recíproca, porque o capitalismo não reage sobre a sociedade feudal, uma vez que esta, ao ser negada, deixou de existir.

Marx utilizou-se mais deste método da negação da negação (ou síntese dos opostos) em seus estudos históricos. Todo processo gera em si e por si mesmo contradições, lutas e permanentes superações de uma situação histórica por outra.

A dialética da reciprocidade (interpenetração dos opostos) aparece amiúde nos textos econômicos. Como historidor, Marx deparou-se com categorias eminentemente históricas, que denotavam tipos de civilização: feudalismo, burguesia, proletariado, campesinato, etc. Como crítico da economia, Marx deparou-se com conceitos que significavam “tipos de ação”: produção, distribuição, capital, lucro, etc.

No primeiro caso, Marx falou de processos. No segundo caso, de conexões. Naquele caso, a categoria unitária do desenvolvimento histórico é o devir; neste caso, a categoria unitária explicativa da sociedade é a totalidade orgânica. O devir é resultante de sucessivas negações; a totalidade, de muitas relações.

_____________

Lincoln Secco é doutorando em História na USP.

Fonte: http://www.artnet.com.br/gramsci/arquiv133.htm

Anúncios
Esse post foi publicado em Filosofia do Direito: Temas da filosofia de Bobbio, Livros. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s