Jorge Lourenço: As vassouras anticorrupção varreram o próprio dono

por Jorge Lourenço, no Jornal do Brasil

A cada dia que passa, o senador Demóstenes Torres (DEM-GO) se enrola mais. Em vias de ser expulso do partido, conforme publica a colunista Anna Ramalho,  o político ainda teve mais conversas suas divulgadas na mídia. Desta vez, ficou bem claro que Demóstenes sabia sim das atividades ilícitas do contraventor Carlinhos Cachoeira e, mais grave ainda, dedicou sem mandato a defendê-las.

Deixa comigo

Numa das conversas gravadas pela Polícia Federal, Demóstenes é flagrado fazendo lobby para Carlinhos Cachoeira junto a um desembargador para agilizar seu processo. Noutra, o senador garante ao contraventor apoio a um projeto de lei para liberar alguns jogos de azar.

“Se você quiser votar, tudo bem, eu vou atrás”, diz Demóstenes.

Telhado de vidro

Para refrescar a memória: no final do ano passado, o ativismo na web disparou uma série de protestos anti-corrupção pelo Brasil. Num deles, a ONG Rio de Paz espalhou vassouras em Brasília e no Rio de Janeiro para simbolizar a tão desejada limpeza ética dos políticos brasileiros . Advinha quem comprou as vassouras? Demóstenes Torres.

EM TEMPO:

A ONG Rio  de Paz, responsável pelo protesto contra a corrupção que espalhou vassouras em Brasília e no Rio de Janeiro, negou qualquer envolvimento com o senador Demóstenes Torres (Sem partido-GO). No final do ano passado, circularam notícias de que o parlamentar e o também senador Pedro Simon (PMDB-RS) teriam doado parte das vassouras usadas na manifestação. Na semana passada, o Jornal do Brasil relembrou a informação.

De acordo com o líder do ONG Rio de Paz, Antônio Carlos Costa, as vassouras foram compradas com verba da própria organização, que não recebe doações de políticos.

“Todos estamos horrorizados com esta situação do Demóstenes e eu mesmo tenho feito campanha nas mídias sociais pedindo a sua renúncia. A Rio de Paz jamais recebeu doações dele ou de qualquer político”, explicou Antônio Carlos, que publicou no blog da ONG as notas fiscais para comprovar a isenção do protesto.

Todavia, a origem do dinheiro para a compra das vassouras nao fica demonstrada pela simples apresentacao de notas fiscais, que comprovam a compra, nao a origem das verbas. AGUARDAMOS ESCLARECIMENTOS. 

Anúncios
Esse post foi publicado em Filosofia do Direito: Temas da filosofia de Bobbio. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s