Crianças de índios ‘sem combustível’ morrem no Amazonas

KÁTIA BRASIL
DE MANAUS | Folha de S. Paulo

Duas crianças do grupo de índios do sudoeste do Amazonas que está sem dinheiro para retornar às suas aldeias depois das eleições de domingo morreram nesta quinta (11) após quadro de diarreia.

Ao menos mil índios estão acampados há quase uma semana em condições precárias de higiene em canoas e barracos em Atalaia do Norte (1.036 km de Manaus).

Índios que ganharam gasolina para vota não têm como voltar

Eles receberam de alguns candidatos apenas o combustível para o trajeto entre a terra indígena e a cidade.

Como os políticos foram derrotados nas urnas, sumiram da cidade, e os índios agora estão sem dinheiro para comprar o combustível da volta, segundo a Funai (Fundação Nacional do Índio).

Para abastecer as 94 embarcações, seriam necessários cerca de R$ 140 mil.

A viagem de barco pelo rio Javari até a terra dos índios, na fronteira com o Peru, leva de oito a dez dias.

Heródoto Jean, coordenador do Dsei (Distrito Sanitário Especial Indígena), do Ministério da Saúde, disse que as crianças mortas têm menos de dois anos de idade e são das etnias canamari e maiuruna.

Elas adoeceram nas canoas e chegaram ao hospital da cidade em “estado gravíssimo”. Outras 33 crianças estão internadas em tratamento na Casa do Índio.

Duas estão hospitalizadas, uma com pneumonia e outra com diarreia grave.

“Quando as crianças chegaram ao hospital elas estavam muito mal, morreram com vômito e diarreia”, disse Jean.

“Os índios vieram para votar e os políticos jogaram eles por aí. Todo mundo foi embora, o juiz e o promotor”, completou Heródoto Jean.

À Folha o coordenador local da Funai, Bruno Pereira, disse que candidatos indígenas e não índios estimularam a viagem dos índios. Os nomes dos candidatos, porém, não foram divulgados.

O município teve três candidatos a prefeito e 85 a vereador. Compareceram às urnas 4.899 eleitores.

Dar ou oferecer dinheiro ou vantagem para obter voto é crime previsto no Código Eleitoral, punido com pena de até quatro anos de prisão.

Nesta quinta (11) o TRE (Tribunal Regional Eleitoral) do Amazonas informou que a Funai precisa denunciar os políticos para que seja aberta uma investigação de crime eleitoral.

Segundo o tribunal, o juiz eleitoral Bismarque Leite e a promotora Ynna Breves Maia não receberam denúncias sobre a doação de combustível.

Pereira, da Funai, disse que não divulgou nomes dos candidatos por temer represálias. “A Justiça sabia do problema, houve uma campanha suja e a Justiça virou as costas, quer empurrar com a barriga.”

O Cimi (Conselho Indigenista Missionário), da Igreja Católica, alertou órgãos federais sobre o problema.

Em nota enviada na véspera das eleições, o conselho disse que os “os índios foram incentivados por candidatos, ávidos por assegurar suas vagas na Câmara e prefeitura”.

Anúncios
Esse post foi publicado em Filosofia do Direito: Temas da filosofia de Bobbio. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s